Início > Análise > Brasil fracassa ao ficar de fora da busca global por vacina para COVID-19, diz especialista

Brasil fracassa ao ficar de fora da busca global por vacina para COVID-19, diz especialista


Vacina.

© Sputnik / Igor Zarembo

Para professor de Relações Internacionais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Fernando Brancoli, o Brasil se isola cada vez mais na arena internacional ao ficar de fora da iniciativa global em busca de uma vacina para o novo coronavírus.

Após decidir ficar de fora da ação global para acelerar a produção de uma vacina contra COVID-19, Brasil não consegue nem o apoio dos EUA – considerado por Bolsonaro como o principal aliado do seu governo – na defesa do reconhecimento da necessidade de flexibilização da lei de patentes para garantir a todos o acesso à vacina.

Qual o risco, para o Brasil, de ficar de fora de esforços internacionais na busca da vacina? A falta de aliados no cenário internacional pode prejudicar o acesso do Brasil a uma futura vacina?

Para Fernando Brancoli, professor de Relações Internacionais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), profissional em política externa brasileira e em questões de Segurança Internacional, o Brasil não deve enfrentar problemas no acesso ao medicamento mas, politicamente, acaba se isolando cada vez mais.

“O fato do Brasil estar fora dessa estrutura indica mais uma vez uma movimentação para isolamento”, falou Fernando Brancoli à Sputnik Brasil.

O profissional esclareceu que, do ponto de vista prático, os países participantes da iniciativa planejam injetar recursos para incentivar pesquisas sobre a vacina contra COVID-19. Se a vacina for de fato desenvolvida, o Brasil deverá ter acesso “mais cedo ou mais tarde”.

Do ponto de vista simbólico, no entanto, o Brasil ficará isolado e demonstrará mais uma vez ser “um país que não preza pelo multilateralismo e que não lida de modo adequado com ameaças provocadas pela COVID-19″, ponderou o professor.

“A gente acaba se tornando mais um problema, no final das contas, do que parte de uma solução”, lamentou o profissional.

Brancoli classifica o rumo adotado pelo atual governo como “um fracasso”, do ponto de vista diplomático.

“Grupos importantes consideram o presidente Bolsonaro como o pior líder global no combate à pandemia. O Brasil já é visto pelos países vizinhos na América Latina como foco potencial da pandemia. Países inclusive mais pobres do que o Brasil, como Paraguai, fecharam as fronteiras com o país e o presidente anunciou que não pretende abri-las tão cedo”, destacou o acadêmico.

Desse modo, segundo ele, Brasil perde o seu reconhecimento ao mesmo tempo que um país que exerce liderança em questões de saúde. O entrevistado citou, como exemplo, o reconhecimento internacional do programa brasileiro de prevenção à AIDS, bem como a importante contribuição do país no combate ao Zika.

“A gente é visto agora como um problema”, lamentou Brancoli, acrescentando que o impacto diplomático da atual política afasta o Brasil do papel de líder regional.

Como mais um sintoma do isolamento brasileiro na política internacional, o professor indicou os problemas enfrentados na compra de mantimentos e medicamentos da China, até mesmo, após o governo Bolsonaro acusar a China de ter inventado o vírus. Dessa perspectiva, o alinhamento automático de Brasília com Washington estaria cobrando um preço alto demais,

“O presidente Bolsonaro tem feito uma espécie de imitação de Trump em uma série de práticas políticas. Aqui chama mais atenção esse combate, esse antagonismo muito claro à China. Vale lembrar que a China é o nosso principal parceiro comercial, um país do qual agora a gente depende para a compra de insumos médicos. Isso certamente vai prejudicar e criar problemas a médio prazo”, destacou o profissional.

Para ele, nenhum indício, até o momento, aponta para a possibilidade de uma ajuda mais vigorosa por parte dos Estados Unidos, apesar do alinhamento com a Casa Branca.

“Vale lembrar que os Estados Unidos têm sido bastante egoístas no combate ao coronavírus. Por exemplo, interromperam o transporte de medicamentos e insumos médicos que passavam pelo território americano para ficar com eles”, falou Brancoli.

Ele lembrou do caso, quando governadores do nordeste brasileiro tentaram comprar ventiladores médicos na China. Os equipamentos, que fizeram uma escala em Miami, nos EUA, ficaram retidos pelo governo norte-americano, e não foram liberados até o momento.

“Não há grandes indícios de que teremos privilégios nesse sentido. Vale lembrar que, no início da pandemia, o presidente Trump tentou garantir que uma empresa alemã, que pesquisa a produção da vacina, efetivamente garantisse a sua produção só para os Estados Unidos. Nesse sentido, o presidente Trump tem sido bem direto – é America first, América primeiro – e o Brasil não entraria nessa equação não”, concluiu.

As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik


Fonte: © Sputnik

Publicidade

Sobre Geek News

Geek News é uma agência Brasileira que lhe apresenta as principais e mais recentes notícias, notícias urgentes, temas políticos, econômicos e sociais da atualidade.

Veja Também

Imigrantes venezuelanos no estado de Roraima, Brasil (arquivo)

Compromisso do Brasil com refugiados permanece em meio às crises políticas, diz porta-voz do ACNUR

© AP Photo / Eraldo Peres Neste sábado (20), celebra-se o Dia Mundial do Refugiado. …

Protesto contra a morte do jovem negro Guilherme Silva Guedes, de 15 anos, em São Paulo, em 16 de junho de 2020

Ativista: representatividade é importante, mas negros buscam equidade no Brasil

© REUTERS / Amanda Perobelli Manifestantes voltaram às ruas nesta semana, em São Paulo, para …

Presidente Jair Bolsonaro participa de cerimônia no Palácio da Alvorada em Brasília (DF)

Brasileiros são os mais insatisfeitos com ações de governo contra COVID-19, diz pesquisa

© AP Photo / Eraldo Peres O Brasil, em uma lista de 53 países, é …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.