Início > Américas > ‘China prefere intimidar vizinhos do que resolver conflitos’, diz parlamentar dos EUA

‘China prefere intimidar vizinhos do que resolver conflitos’, diz parlamentar dos EUA


Chefe do Comitê de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados dos EUA, Eliot Engel

© AP Photo / Jacquelyn Martin

O chefe do Comitê de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados dos EUA, Eliot Engel, censurou a China por “intimidar” os países vizinhos e pediu que ela resolva diplomaticamente as disputas de fronteira com a Índia.

“Estou extremamente preocupado com a contínua agressão chinesa ao longo da atual linha de controle na fronteira Índia-China. A China está demonstrando mais uma vez que prefere intimidar seus vizinhos do que resolver conflitos de acordo com o direito internacional”, acusou Engel nesta segunda-feira (1º).

O parlamentar acrescentou que “todos os países devem cumprir o mesmo conjunto de regras para que não vivamos em um mundo onde a lei dos mais aptos governe”. “Peço fortemente à China que cumpra as regras e use a diplomacia e os mecanismos existentes para resolver seus problemas de fronteira com a Índia”, acrescentou ele.

O presidente dos EUA, Donald Trump, se ofereceu na semana passada para mediar a disputa territorial entre Nova Deli e Pequim.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, declarou que os dois países não precisam de intervenção de terceiros e são capazes de resolver seus assuntos bilaterais através do diálogo.

O ministro do Interior da Índia, Amit Shah, revelou que “as negociações estão ocorrendo nos níveis diplomático e militar” com a China e expressou confiança de que a situação pode ser resolvida.

Guardas de fronteira da China e da Índia
© AFP 2020 / DIPTENDU DUTTA
Guardas de fronteira da China e da Índia

China e Índia disputam uma parte do território montanhoso do norte da região da Caxemira, além de cerca de 60 mil km quadrados no estado de Arunachal Pradesh. A atual linha de controle passa pela região de Ladakh.

No outono de 1962, a disputa levou a uma guerra de fronteira. Em 1993 e 1996, China e Índia assinaram acordos de manutenção da paz nas regiões disputadas.

Em 2017, os militares indianos e chineses mantiveram-se tensos frente a frente em outra área tibetana, Doklam (Donglang, para Pequim), um pequeno platô localizado em uma área de importância estratégica para Nova Deli e é disputado pela China e pelo Reino de Butão.

A situação no leste de Ladakh piorou depois que cerca de 250 soldados chineses e indianos entraram em conflito na noite de 5 de maio na área de Pangong Tso. A violência, que durou até o dia seguinte, deixou mais de 100 feridos de ambos os lados e cessou após uma reunião de líderes locais.

Ambos os países enviaram tropas adicionais na área após o incidente.


Fonte: © Sputnik

Publicidade

Sobre Geek News

Geek News é uma agência Brasileira que lhe apresenta as principais e mais recentes notícias, notícias urgentes, temas políticos, econômicos e sociais da atualidade.

Veja Também

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, (à direita), cumprimenta o líder da oposição venezuelana, Juan Guaidó, (à esquerda) em Washington, no dia 6 de fevereiro de 2020.

Casa Branca nega que Trump tenha perdido confiança em Guaidó

© AP Photo / Luis M. Alvarez O presidente dos EUA, Donald Trump, não perdeu …

Presidente dos EUA, Donald Trump, usa celular durante reunião na Casa Branca, em Washington, EUA, 18 de junho de 2020

Trump diz que poderia encontrar Maduro e expressa dúvidas em relação a Guaidó, diz site

© REUTERS / Leah Millis O presidente estadunidense, Donald Trump, falou que poderia encontrar o …

Líder oposicionista venezuelano Juan Guaidó (foto de arquivo)

Guaidó abre embaixada na Bolívia após país romper com Maduro

© AFP 2020 / Cristian Hernandez Equipe de trabalho nomeada pelo líder oposicionista venezuelano Juan …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.