Início > economia > Índia teria milagre econômico após pandemia do coronavírus?

Índia teria milagre econômico após pandemia do coronavírus?


Mulher passa por uma figura em cartão representando o coronavírus e incentivando a ficar em casa em uma área residencial durante o isolamento para retardar a propagação da doença do coronavírus (COVID-19) nos bairros antigos de Deli, Índia, 30 de abril de 2020

© REUTERS / Adnan Abidi

O país asiático, que tem 18% da população mundial, em grande parte jovem, com muitos sendo educados no estrangeiro, pode estar pronto para um boom econômico pós-pandemia, mas também há obstáculos.

Após grandes rupturas globais, por vezes alguns países experimentam milagres econômicos que não se esperavam. Há muitos sinais de que a Índia pode vir a ter um boom econômico após a pandemia do coronavírus, acredita Rajiv Kumar, vice-presidente do Instituto Nacional de Transformação da Índia, em declarações ao jornal South China Morning Post.

Após a Segunda Guerra Mundial, o mundo assistiu ao milagre econômico do Japão e ao impressionante renascimento da Europa, impulsionado pelo Plano Marshall em 1948. Após a crise de 2008, a China emergiu como o motor do crescimento econômico global. Poderia agora ser a vez da Índia?

O potencial da Índia

A Índia parece estar lutando muito bem contra a pandemia, relata Kumar. O país obteve as notas mais altas de especialistas internacionais em Oxford ao congelar a atividade de sua população, que representa 18% da população mundial.

Um recorde de 90 países em todo o mundo solicitou financiamento de emergência ao Fundo Monetário Internacional”, relata o Fundo Monetário Internacional.

Como resultado, a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento estima que a economia mundial terminará com um saldo negativo em 2020, o que colocará sérios problemas aos países em desenvolvimento, com as prováveis exceções da China e da Índia.

Policiais usam drone para monitorar o movimento de pessoas em uma área residencial depois que esta foi declarada local sensível pelas autoridades durante o isolamento nacional para retardar a propagação da doença do coronavírus (COVID-19) em Kochi, Índia, 24 de abril de 2020
© REUTERS / Sivaram V
Policiais na Índia usam drone para monitorar o movimento de pessoas em meio ao coronavírus

 

Se após 2009 a China finalmente se tornou um ator global, criando redes globais de suprimento, a Índia pode se tornar um líder global na criação de serviços globais, acredita Kumar.

A Índia pode fornecer todos os tipos de serviços: desde sistemas de ensino à distância, treinamento pessoal (ioga, linguagem, matemática, por exemplo), efeitos visuais, pós-produção de filmes, design gráfico, dobragem, concepção de produtos de consumo, prognóstico médico secundário, escrita de conteúdos e muito mais.

Os indianos têm um recurso único para isso: os 700 milhões de jovens, falantes de inglês, “com um enorme apetite por aprender e uma vontade de dar a volta às suas vidas e às de suas famílias”, diz.

Além disso, existem milhões de indianos jovens e instruídos em todo o mundo. Uma comunidade migrante é o material ideal para a criação dessas mesmas redes.

Desafios para o ‘milagre’

No entanto, há um obstáculo que pode impedir a Índia se tornar um novo milagre global, alerta Dmitri Kosyrev, colunista da Sputnik.

O perigo está nos próprios recursos humanos. Quando as medidas de distanciamento foram introduzidas, alguns indianos começaram a procurar um inimigo comum, primeiro os turistas como portadores da doença, e depois a ideia de que outra fonte de contágio era a comunidade muçulmana indiana.

Cão vadio passa por mulheres esperando em uma fila na chuva para receber alimentos grátis, em meio ao isolamento nacional para retardar a propagação da doença do coronavírus (COVID-19), em Calcutá, Índia, 27 de abril de 2020
© REUTERS / Rupak De Chowdhuri
Cão vadio passa por mulheres na Índia em meio à propagação da COVID-19

Então nas redes sociais surgiu uma discussão entre os indianos que trabalham nos países do Golfo e os árabes, chegando mesmo a haver uma discussão sobre a possibilidade de expulsão de trabalhadores indianos da região, que totalizam quase nove milhões. Ora, o país recebe 50 por cento das suas transferências de divisas de emigrantes do Oriente Médio.

“As elites árabes e indianas parecem estar cientes da relação extremamente benéfica entre os dois lados, e que as paixões excessivas presentes nas redes podem facilmente estragá-la”, diz Kosyrev.

Outro lado negativo da prosperidade indiana é a emigração, observa o colunista. De acordo com dados da ONU, desde 2015 a Índia é o país com o maior número de emigrantes do mundo. Mais de 17,5 milhões de indianos vivem fora do país.

Os economistas ainda não conseguem chegar a uma conclusão definitiva sobre o papel que a imigração desempenhará no mundo após o coronavírus.

Por um lado, enfatiza o colunista, o uso de mão de obra barata será ainda mais relevante, pois ninguém terá dinheiro extra no mundo de amanhã. Por outro lado, a população local sempre viu os imigrantes como concorrentes, a que se soma a ideia de que eles podem ser a fonte da doença.

A conexão entre a circulação das pessoas pelo mundo e infecção, seja pelo novo coronavírus ou por alguma outra doença, é clara.

Ao mesmo tempo, a emigração será pressionada a partir de baixo pela fome iminente e outros desastres nos lugares de onde as pessoas costumam emigrar, conclui Kosyrev.

O país asiático relata 33.062 casos de infecção do coronavírus, com 1.079 mortes e 8.437 recuperações, segundo a Universidade Johns Hopkins (EUA).


Fonte: © Sputnik

Publicidade

Sobre Geek News

Geek News é uma agência Brasileira que lhe apresenta as principais e mais recentes notícias, notícias urgentes, temas políticos, econômicos e sociais da atualidade.

Veja Também

Funcionário de restaurante em Riad, capital da Arábia Saudita, prepara pedido para entrega (arquivo)

Arábia Saudita investe US$ 533 milhões em segurança alimentar em meio a pandemia

© REUTERS / AHMED YOSRI A Arábia Saudita optou alocar 2 bilhões de riais (cerca …

Máquinas na linha de produção da fábrica de veículos da Ford em São Bernardo do Campo (SP)

Relações comerciais entre Brasil e Argentina estão em 2º plano neste momento, diz especialista

© Folhapress / Rodrigo Paiva As montadoras Toyota, Honda e Renault decidiram no mês passado …

Poço de petróleo nos arredores da cidade El Tigre, no Cinturão de Orinoco, uma das regiões mais ricas em petróleo no mundo

Rússia mantém cooperação com Venezuela na produção de petróleo

© AP Photo / Fernando Llano Rússia mantém cooperação com a Venezuela na produção de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.