Início > Análise > Novo ministro da Educação deve acelerar pauta de Bolsonaro no setor, diz pedagogo

Novo ministro da Educação deve acelerar pauta de Bolsonaro no setor, diz pedagogo


Novo ministro da Educação, Carlos Decotelli

©Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Após a saída conturbada de Abraham Weintraub, o governo federal anunciou Carlos Decotelli como novo ministro da Educação. Sobre a mudança, a Sputnik Brasil ouviu o pedagogo Lincoln Araújo, que acredita que a mudança deve trazer mais bom senso à pasta, mas que o programa deve ser o mesmo.

O governo do presidente brasileiro Jair Bolsonaro anunciou na quinta-feira (25) o nome de Carlos Alberto Decotelli da Silva para o comando do Ministério da Educação (MEC). Decotelli é o terceiro homem a liderar a pasta, que tem sido fonte de polêmicas desde o início do governo Bolsonaro, com a passagem de Ricardo Vélez e Abraham Weintraub como ministros.

Decotelli é economista e oficial da reserva da Marinha, tendo chefiado o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) ainda em 2019. Antes de aceitar o cargo como ministro, Decotelli estava na Secretaria de Modalidades Especializadas de Educação (Semesp), parte do MEC.

Para Lincoln Araújo, pedagogo, professor e diretor da Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), é importante salientar que a nomeação do novo ministro se dá em meio a uma crise “aguda” do governo Bolsonaro, que inclui a pandemia do novo coronavírus e também a recente prisão de Fabrício Queiroz.

Segundo o pedagogo, a nomeação de Decotelli tenta garantir governabilidade e o perfil do novo ministro – ex-militar e técnico do MEC – busca aparar arestas do governo com políticos do Centrão e com os militares. Apesar disso, Araújo aponta que Decotelli deve seguir em frente com as propostas bolsonaristas na Educação, um programa que o pedagogo classifica como “vazio”.

“A minha expectativa então é muito reduzida em relação ao governo Bolsonaro e em relação ao ministro Decotelli. Até porque eu entendo que ele vai provavelmente acelerar a pauta do programa do governo Bolsonaro para a Educação, que é inócua, é vazia, descabida”, afirma o educador em entrevista à Sputnik Brasil.

O pedagogo acredita que o ministro deva incentivar , assim como Weintraub, o aumento das escolas militares no país e também interesses do setor privado, como a ampliação da educação à distância.

“O investimento e o aceno do MEC hoje, já com Weintraub, e agora com Decotelli, com certeza será a abertura da educação à distância de capital privado, internacional, no nosso meio, criando mais uma vez um fosso de exclusão social”, avalia o educador.

Ministro da Educação, Abraham Weintraub, é saudado por apoiadores ao deixar sede da Polícia Federal, em Brasília (DF), 4 de junho de 2020
© Folhapress / Pedro Ladeira
Ministro da Educação, Abraham Weintraub, é saudado por apoiadores ao deixar sede da Polícia Federal, em Brasília (DF), 4 de junho de 2020

Araújo vê a entrada de Decotelli com pessimismo, mas entende que o novo gestor trará mais bom senso para o comando do MEC tendo em vista a gestão turbulenta de seu antecessor, Abraham Weintraub.

“Eu vejo que nada mudou, o que vai mudar, essa é minha esperança, é o mínimo de bom senso daquele que será o gestor da educação nacional a partir da posse do novo ministro Carlos Alberto Decotelli”, afirma.

Desgaste com os militares e primeiro ministro negro

O pedagogo Lincoln Araújo afirma que o governo Bolsonaro tem preenchido cargos com militares com o objetivo de garantir apoio do setor. No entanto, ele especula que o segmento teria uma insatisfação crescente com o governo devido ao desconforto gerado por acusações de corrupção, como a suposta ligação da família Bolsonaro com milícias, suspeita levantada no caso da prisão de Fabrício Queiroz.

“Acho que os militares começam a ter um incômodo em relação ao governo Bolsonaro. Porém há uma tradição militar em relação ao cumprimento das missões. Essa ordem de pensamento, essa lógica de pensamento é o que pode, de certa forma, ajudar um pouco o governo Bolsonaro, que é desprovido de projeto nacional de país. O professor Decotelli entra nesse campo de cotas militares”, acredita Araújo.

Decotelli é também o primeiro ministro negro do governo Bolsonaro. Sobre isso, Araújo chama a atenção para figuras negras próximas de Bolsonaro como o presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, e o deputado federal Hélio Lopes, que negam a questão racial.

Bolsonaro no Palácio do Planalto em Brasilia.. © Folhapress / Renato Costa”>Sergio Camargo em entrevista à Imprensa apos encontro com o Presidente,Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto em Brasilia.
© Folhapress / Renato Costa
Sergio Camargo em entrevista à Imprensa apos encontro com o Presidente,Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto em Brasilia.

Para o pedagogo, será importante prestar atenção no novo ministro em relação, por exemplo, ao posicionamento quanto à política de ações afirmativas nas universidades públicas, as chamadas “cotas raciais”. Porém, Araújo alerta que a postura do novo ministro pode trazer problemas com o presidente.

“Nós vamos ficar na expectativa de como o professor Carlos Alberto Decotelli vai acompanhar essa questão, sobretudo a política de cotas nas universidades públicas, sabendo que o presidente Bolsonaro, por conta de sua personalidade, não aceita nenhum ministro que seja a estrela do governo – porque quem tem que ser a estrela do governo é o próprio Bolsonaro“, avalia.

As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik


Fonte: © Sputnik

Publicidade

Sobre Geek News

Geek News é uma agência Brasileira que lhe apresenta as principais e mais recentes notícias, notícias urgentes, temas políticos, econômicos e sociais da atualidade.

Veja Também

Protesto contra a morte do jovem negro Guilherme Silva Guedes, de 15 anos, em São Paulo, em 16 de junho de 2020

Ativista: representatividade é importante, mas negros buscam equidade no Brasil

© REUTERS / Amanda Perobelli Manifestantes voltaram às ruas nesta semana, em São Paulo, para …

Presidente Jair Bolsonaro participa de cerimônia no Palácio da Alvorada em Brasília (DF)

Brasileiros são os mais insatisfeitos com ações de governo contra COVID-19, diz pesquisa

© AP Photo / Eraldo Peres O Brasil, em uma lista de 53 países, é …

Manifestantes fantasiados de Bolsonaro e Merkel pedem a defesa da Amazônia em ato no Rio de Janeiro

Reputação de produtos brasileiros sofre com boicotes europeus e política de Bolsonaro, diz analista

© AP Photo / Silvia Izquierdo Depois do Reino Unido, a Alemanha é mais um …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.